Mamoplastia redutora (redução das mamas)

As mamas representam para as mulheres sua feminilidade e sexualidade, e alterações no aspecto das mamas podem gerar um grande desconforto às pacientes. A cirurgia nas mamas, denominada mamoplastia, visa tratar alterações como o volume excessivo desse órgão, aliviando o desconforto gerado pelo peso das mamas, além de tratar a flacidez de pele, que se traduz por ptose mamária, a denominada “mama caída”. A ptose geralmente ocorre por mudanças no volume das mamas geradas pela gravidez ou por variações de peso. Ocorre então um excesso de pele para o conteúdo da mama, e com isso, há uma perda de projeção na parte superior da mama, chamada pólo superior, e excesso de tecido se acomodando na porção mais inferior da mama.

Existem varias técnicas que visam a correção das alterações mamárias, sendo cada uma específica para o tipo de alteração sofrida pela mama. Porém, todas as técnicas envolvem a presença de cicatriz resultante do procedimento, que apesar de serem localizadas em posições anatômicas, com o intuito de serem menos perceptíveis, não desaparecem.  Quanto maior o volume da mama, maior deverá ser a cicatriz resultante, porém, para a maioria das pacientes a melhora estética da forma e do volume das mamas justifica a presença de uma cicatriz. Apesar de o processo de cicatrização depender de vários fatores, na maioria das vezes é possível obter cicatrizes de muita qualidade, que se torna de aspecto e coloração bem satisfatórios.

Pacientes submetidos à cirurgia da mama devem permanecer em repouso absoluto por um período de 3 a 5 dias e não devem fazer movimentos muito bruscos com os braços por um período de 2 semanas.  Os pontos são normalmente retirados com 14 a 21 dias e o retorno às atividades físicas é liberado após 30 a 40 dias.